volta ao índice das edições de 2001 EDIÇÃO n.º 18 (Julho de 2001)
 
POR AMOR DE DEUS NÃO LEIA:
REPORTAGEM: Estranha forma de Vida
«Vivemos, hoje, numa sociedade consumista, dependente, supérflua, egocêntrica. O que se passa à nossa volta não nos diz respeito, não é connosco, logo não nos afecta.
O objectivo de vida é ter dinheiro no intuito de ter poder, e esperar que esse mesmo dinheiro nos traga felicidade, nos compre a felicidade. Temos a felicidade que nos é imposta pela televisão, pelo vizinho, pelas revistas.»
A Albergaria Santa Hildegarda em foco.
Reportagem de Gil Silva
Fotografias de Pedro Martins Colaço
PERFIL: Vasco
«Mas afinal quem é o Vasco de Castro? Tão-só um dos mais interessantes desenhadores satíricos que este país viu nascer. Mas o transmontano é mais do que isso (que já não é pouco): culto, divertido, generoso, acutilante, "leitor profissional" e atento, bon vivant, desalinhado, analista mordaz e expressivo (por palavras, trejeitos e peculiares interjeições...) e tudo o mais que define um carácter único.»
Inclui: «Breve História de Portugal»
Texto de Rui Ângelo Araújo e Carlos Chaves
Fotografias de Paulo Araújo
Desenhos de Vasco
REPORTAGEM: A Arte do Risco
«O Núcleo de Gravura de Alijó nasceu em 1999, mas as suas origens têm de ser procuradas dois anos antes, quando Nuno Canelas começou a gravar na Casa-Museu Maurício Penha, em Sanfins do Douro. A ele juntar-se-iam Daniel Hompesch, pintor e gravador belga radicado em Sanfins, e Guilherme Fonseca, outro artista alijoense.»
Reportagem de Fernando Gouveia
Fotografias do arquivo do Núcleo de Gravura de Alijó
Gravuras de Octave Landuyt
REPORTAGEM: De olho no fito
«Indubitavelmente a ruralidade está na moda! E ainda bem!, apregoam alguns nostálgicos adormecidos pelo ar maternal da professora primária ou pelo chilrear constante dos passarinhos. Com que fim, vociferam outros, atormentados pelo inchaço da mão, só porque espreitaram para o joelho da menina sentada na carteira do lado. Melodias de rouxinol? Só de manhãzinha, quando partia para a labuta. Ou então quando pegava na arma de pressão e pum!... Ou ainda na ratoeira e zás!...»
Texto de Luís C. Teixeira
Fotografias de Rui Ribeiro
EDITORIAL: A entrevista que nunca fizemos
«Hermínio Monteiro, o editor, falava connosco com as palavras dos outros. E que bem que ele falava!»
Editorial da Redacção do Eito Fora

COMUNICADO: O Eito Fora a trezentos paus!
Mantendo-se sempre a par das últimas tendências, o Eito apresenta o seu orçamento rectificativo...

CRÓNICA LITERÁRIA: Portugal não é um país de poetas!
«Se houvesse estatísticas sobre o assunto veríamos como, à hora que escrevo, meio país está ocupado a engendrar uma rima.»
Texto de Rui Ângelo Araújo
Ilustração de Elza Garcia

ANACRÓNICAS: O homem que
Anacrónica em dose dupla por Manuel Guimarães e Luísa Costa
Ilustrações de Francisco Legatheaux

PRO(E)S(I)AS: Insuportável
Pro(e)s(i)a 1: «Porque sim»
Pro(e)s(i)a 2: «Isto não vai ficar assim»
Textos de Vítor Nogueira
Ilustração de Francisco Lameirão

NUA & CRUA: Corpo em trânsito
«No corpo-a-corpo com o meu corpo, paro, sinto, olho, escuto, cheiro e escrevo à beira-corpo.»
Texto de Maria Filomena
Carvão de Paulo Araújo

POESIA: Diário de um eremita
«resta-me uma poesia de dedos imensos»
Poesia de Eugénio Branco

CONTO: A seta
«A seta que durante cinco anos me indicou o caminho, do norte, do sul, do este, do oeste, esse dedo de metal traiu-me.»
Conto de José Ferreira Borges
Ilustração de Paulo Araújo

'Andarilho', símbolo do EITO FORA

Capa da edição n.º 18 (Julho de 2001)

EITO FORA: transmontano sem preconceitos

vai para o topo da página Participaram neste número: Carlos Chaves, Elza Garcia, Eugénio Branco, Fernando Gouveia, Francisco Lameirão, Francisco Legatheaux, Gil Silva, José Ferreira Borges, Luís C. Teixeira, Luísa Costa, Manuel Guimarães, Maria Filomena, Paulo Araújo, Pedro Martins Colaço, Rui Ângelo Araújo, Rui Ribeiro e Vítor Nogueira.